Obstrução de acesso a comunidade da Pontinha é discutido em mesa redonda em Tracuateua

29/01/2018

Reportagem de

 

Um das vítimas que preferiu não se identificar, quase foi atingido por uma bala. Ele e outros companheiros foram recebidos a tiros quando visitavam a área que até então era livre para as comunidade remanescentes de Pontinha e Cigano, localizadas há 4 km da sede do município de Tracuateua.

 

Entre as vítimas dos disparos estava o professor e pesquisador Fabrício Santos da Universidade Federal do Pará, campus Castanhal. O professor estava no local por um convite dos comunitários.

 

O conflito começou a ser gerado desde setembro do ano passado. A via de acesso das comunidades, além de um rio, foram isoladas pelo então proprietário da área. Antes disso, o acesso era livre, e os moradores da comunidades tinham entre sim apenas 500 metros de distância.

 

O conflito gerado a partir daí motivou uma mesa redonda que ocorreu no salão paroquial da Igreja São Sebastião, em Tracuateua, na manhã de sábado, 27.

 

Representantes das três comunidades remanescentes daquela região: Torres, Pontinha e Cigano, se reuniram para reivindicar.

 

Participaram nas mesas de discussões, representantes da Universidade Federal do Pará, o setor da OAB  que integra a comissão de defesa e igualdade racial, etnia e direitos dos Quilombolas, universitários e comunidade em geral.

 

Segundos os pesquisadores da UFPA, estas comunidades estão na região há décadas e estão com seus direitos de livre acesso interrompidos.

 

Para Jorge Farias, presidente da comissão da OAB, o caso está sendo investigado e tramita na justiça. Nos próximos dias uma resposta definitiva poderá encerrar o conflito.

 

A audiência foi a forma legal encontrada pelos pesquisadores, para evitar tragédias.

Please reload

Em Destaque

Matéria reúne participação de legisladores da base aliada ao governo de Bragança

25/10/2019

1/10
Please reload

Recentes