Maioria reprova requerimentos que exigem prestação de contas da Finanças e Administração

11/10/2018

Reportagem de

 

Atendendo à solicitação dos requerimentos do vereador Cláudio da Van das últimas sessões, os secretários de Finanças e Administração, Tatyana Rodrigues e Alcides Neto, respectivamente, compareceram a plenária desta quinta-feira, 11.

 

O objetivo era que os gestores das pastas pudessem esclarecer, acerca dos tributos (multas) arrecadados por meio do Demutran, e a sua distribuição de pagamentos, assim como outras receitas destinadas ao departamento municipal de trânsito.

 

Como argumentação, Alcides Neto disse "A Administração não gere e nem responde pela arrecadação de nenhuma natureza. Não movimentamos as contas questionadas no requerimento e o que que compete a Semads, responsável financeiramente do Demutran, é o aluguel pago com a dotação da administração e a folha do Demutran que é paga com o fundo prefeitura".

 

Tatyana disse que a pasta mantem declarados os recursos que estão sendo aplicados, e que as prestações estariam disponíveis no portal da transparência.

 

As justificativas dos secretários não foram convincentes. Os edis esperavam que durante as apresentações do secretários fossem mostrados documentos que comprovassem suas declarações.

 

A mesma exigência de Claudio da Van foi a de Rivaldo Miranda, exigindo a prestação de contas através de comprovação por meio de documentos.

 

E ficou neste “bate lá, da cá” entre os vereadores de situação e oposição ao governo.

 

Durante votação do expediente, Cláudio da Van entrou com novos requerimentos, os de números 549, 550, 551, 552 e 553. Todos eles foram pedidos pelo vereador Edivaldo Costa para que fossem votados separadamente, isso gerou mais confusão.

 

Os de números 549, 550, 551, 552, exigiam das secretarias em questão a prestação de contas, com a apresentação de documentos para que fossem analisadas pela casa. A maioria dos vereadores, aliados ao executivo, votou contra. Apenas Junior do Pneu, Marico, Deco Lima, Cláudio da Van, Renato Oliveira e Rivaldo Miranda foram favoráveis.

 

 

 

O requerimento 553, que solicita a secretaria de educação, informações sobre as razões que justificam a não inclusão na remuneração dos professores que trabalham na área rural de acordo com o PCCR, foi o único aprovado entre os separados.

 

Os pedidos recusados serão protocolados no Ministério Público.

 

Diante dos conflitos de situação e oposição, o clima mais acalorado girou em torno de agressões físicas.

 

O vereador Renato Oliveira empurrou o fotógrafo da assessoria de comunicação da prefeitura, segundo ele, porque foi ofendido ao pé do ouvido pelo profissional.

 

Foi difícil conter os ânimos, inclusive de uma plateia nova na sessão que manifestava apoio ao governo.

Please reload

Em Destaque

Matéria reúne participação de legisladores da base aliada ao governo de Bragança

25/10/2019

1/10
Please reload

Recentes